Home / classificacao da liga inglesa / Classificação da ILAE das epilepsias: artigo da …

Classificação da ILAE das epilepsias: artigo da … - classificacao da liga inglesa


Classificação da ILAE das epilepsias: artigo da …-classificacao da liga inglesa

1
Classifica??o da ILAE das epilepsias: artigo da posi??o da Comiss?o de
Classifica??o e Terminologia da International League against Epilepsy.
Ingrid E Scheffer, Samuel Berkovic, Giuseppe Capovilla, Mary B Connolly,
Jacqueline French, Laura Guilhoto, Edouard Hirsch, Satish Jain, Gary W.
Mathern, Solomon L Mosh?, Douglas R Nordli, Emilio Perucca, Torbjorn
Tomson, Samuel Wiebe, Yue-Hua Zhang, Sameer M Zuberi
Nota: No presente texto, procuramos traduzir a nova nomenclatura da International
League Against Epilepsy (ILAE) para a l?ngua portuguesa, o que possibilitar? seu uso
de forma padronizada no Brasil. Entendemos que qualquer tradu??o apresenta
dificuldades e limita??es inerentes ? vers?o da l?ngua original para uma outra l?ngua.
Alguns termos definidos pela ILAE s?o de dif?cil tradu??o para o portugu?s e seu
sentido pode n?o ser exatamente o mesmo. O uso da terminologia aqui sugerida em
quaisquer publica??es deve citar o artigo original publicado pela ILAE na revista
Epilepsia. A refer?ncia para o artigo original segue abaixo:
Fisher RS, Cross JH, D'Souza C, French JA, Haut SR, Higurashi N, Hirsch E, Jansen
FE, Lagae L, Mosh? SL, Peltola J, Roulet Perez E, Scheffer IE, Schulze-Bonhage A,
Somerville E, Sperling M, Yacubian EM, Zuberi SM. Instruction manual for the ILAE
2017 operational classification of seizure types. Epilepsia. 2017 Mar 8 (ainda on line).
Elza M?rcia Yacubian, L?cio Figueira Pinto, M?rcia Morita e Mirian Fab?ola SG
Mendes
pela Comiss?o de Consenso da Liga Brasileira de Epilepsia.
RESUMO
A Classifica??o das Epilepsias da International League against Epilepsy
(ILAE) foi atualizada de acordo com os novos conhecimentos das epilepsias e
seus mecanismos subjacentes ap?s os avan?os cient?ficos que ocorreram
desde a ?ltima classifica??o ratificada em 1989. Sendo a Classifica??o das
Epilepsias um instrumento cr?tico para o cl?nico, a classifica??o das epilepsias
precisa ser relevante e din?mica a mudan?as na forma de pensar, e tamb?m
robusta e traduz?vel para todas as ?reas do globo. Seu objetivo prim?rio ? para
o diagn?stico dos pacientes, mas ela tamb?m ? cr?tica para pesquisa em
2
epilepsia, para o desenvolvimento de terapias antiepil?pticas e para a
comunica??o ao redor do mundo. A nova classifica??o se originou de um
documento preliminar que foi submetido a coment?rios p?blicos em 2013, que
foi revisado para incorporar o grande volume de opini?es da comunidade
epileptol?gica internacional em v?rias sess?es de consulta. Ela apresenta tr?s
n?veis, come?ando com os tipos de crises, no qual se assume que o paciente
apresenta crises epil?pticas conforme a defini??o da nova Classifica??o da
ILAE de 2017 das Crises Epil?pticas. Ap?s o diagn?stico do tipo de crise, o
pr?ximo passo ? a classifica??o do tipo de epilepsia, que inclui os subtipos:
epilepsias focais, epilepsias generalizadas, epilepsias focais e generalizadas
combinadas e tamb?m um grupo de epilepsias desconhecidas. O terceiro n?vel
? o das s?ndromes epil?pticas no qual um diagn?stico sindr?mico espec?fico
pode ser feito. A nova classifica??o incorpora a etiologia em cada um destes
est?gios, enfatizando a necessidade de considerar a etiologia em cada um dos
passos diagn?sticos, uma vez que ela frequentemente carreia implica??es
terap?uticas significantes. A etiologia ? subdividida em seis subgrupos,
selecionados por suas consequ?ncias terap?uticas potenciais. Uma nova
terminologia ? introduzida, tal como encefalopatia epil?ptica e do
desenvolvimento. O termo benigno foi substitu?do pelos termos autolimitada e
f?rmacorresponsiva, que dever?o ser utilizados quando apropriado. Espera-se
que este novo esquema contribua para a melhora na pesquisa e cuidados em
epilepsia no s?culo 21.
Palavras-chave: Classifica??o, S?ndromes Epil?pticas, Terminologia, Etiologia.
3
Pontos chave
A ILAE apresenta um esquema revisado para a Classifica??o das Epilepsias, com a
finalidade de funcionamento conjunto com a classifica??o dos tipos de crises
epil?pticas;
Os n?veis de diagn?stico compreendem: tipos de crises, tipo de epilepsia (focal,
generalizada, focal e generalizada combinados e desconhecido) e s?ndromes
epil?pticas;
Um diagn?stico etiol?gico deve ser considerado quando da apresenta??o do
paciente e em cada passo ao longo desta via de classifica??o; a epilepsia do
paciente pode ser classificada em mais de uma categoria etiol?gica;
O termo "benigno" ? substitu?do pelos termos autolimitado e farmacoresponsivo
que dever?o ser utilizados conforme julgados apropriados;
O termo "encefalopatias epil?pticas e do desenvolvimento" pode ser aplicado
como um todo ou em partes, conforme julgado apropriado.
Introdu??o
Esfor?os cont?nuos para refinar a classifica??o das epilepsias t?m sido
feitos pela ILAE, desde sua cria??o em 1909 e receberam um destaque
especial no in?cio da d?cada de 1960 quando novos conceitos na classifica??o
foram propostos por Henri Gastaut 1-3. Debates intensos e a aquisi??o de novos
conhecimentos nas d?cadas seguintes levaram ? elabora??o da marcante
"Classifica??o das Epilepsias e S?ndrome Epil?pticas" de 1985 4, a qual logo foi
seguida pela vers?o revisada de 1989 5 feita pela Assembleia Geral da ILAE. A
Classifica??o de 1989 exerceu uma grande influ?ncia em todo o mundo e
representou o maior impacto na pesquisa e no cuidado em epilepsia. O
trabalho apresentado aqui ? o produto do esfor?o de muitos realizado por mais
de um s?culo; n?s reconhecemos suas contribui??es seminais no
desenvolvimento da classifica??o das epilepsias.
Embora v?rios conceitos delineados na Classifica??o de 1989
permane?am v?lidos nos dias atuais, ficou cada vez mais claro que uma
revis?o seria necess?ria para contabilizar as descobertas cient?ficas
subsequentes que no decorrer das ?ltimas d?cadas alteraram

Por que a língua inglesa é tão importante?•A Língua Inglesa é a língua oficial declarada pela ONU, onde todo e qualquer documento oficial internacional, só é oficial se for em Inglês, além desse fator extremamente importante, o fato de empresas internacionais (globais) são cada vez mais presentes em todos os países do mundo. UNIDADE I | OBJETIVOS 1.