Home / jornais desportivos portugues / O último “preso político” português

O último “preso político” português - jornais desportivos portugues



O último “preso político” português...

Assumido “simpatizante do anarquismo”, António, considerado por amigos e apoiantes como “preso político”, divide os seus dias entre a solidariedade internacional que lhe aconchega a alma e as vetustas paredes da cadeia de Vale de Judeus. Ao longo da sua vida, este sexagenário já conta no curriculum com 40 anos de prisão efectiva, entremeados por escassos intervalos de liberdade. Há quem diga que os proventos arrecadados em inúmeros assaltos, tiveram outros destinos que não os seus bolsos


António Ferreira de Jesus, assim consta nos registos, é um velho conhecido dos Serviços Prisionais. De tal forma que, ainda hoje e pesem embora os seus provectos 63 anos, continua a ser considerado um dos “mais perigosos” presos portugueses. Para qualquer lado a que se desloque, a qualquer diligência a que seja remetido, faz-se acompanhar de um bom punhado de guardas armados de metralhadora. E, para fazer jus à perigosidade, vai sempre algemado.
O seu nome é uma espécie de “lenda viva” do imaginário e da sub-cultura prisional. Num espaço onde só há dois tipos de pessoas - os “chibos” e os homens -, António é uma referência para os seus companheiros de cárcere. Nos últimos 30 anos foi protagonista de todas as lutas de contestação promovidas por reclusos e “visitou” as prisões mais duras de Portugal.
O seu caso já galgou fronteiras e, por iniciativa de colectivos de apoio a presos de Barcelona, foi lançada uma campanha internacional para a sua libertação. A iniciativa já conta com o apoio da Cruz Negra Anarquista (CNA), da Federação Anarquista Ibérica (FAI), da “Acção Directa” (uma revista anarquista) e a solidariedade da portuguesa Associação Contra a Exclusão pelo Desenvolvimento (ACED). Amanhã, sexta-feira, dia 9, o Café Cultural Cem Medos, no Bairro Alto, Lisboa, acolhe a primeira iniciativa lusa de solidariedade com António Ferreira.
O que os seus apoiantes exigem é a realização do cúmulo jurídico das suas penas, como aliás vem disposto no artigo 79º do Código Penal em vigência até 1995, aquele que se aplica à situação de Ferreira.
Nascimento Rodrigues, o Provedor de Justiça, considera a campanha um “exercício perfeitamente gratuito”, mas o disposto na lei, nomeadamente o articulado já referido, é muito claro: “Se, depois de uma condenação transitada em julgado, mas antes de a respectiva pena estar cumprida, prescrita ou extinta, se mostrar que o agente tinha praticado, anteriormente àquela condenação, outro ou outros crimes, será proferida uma nova sentença (...)”. Parece ser este o caso de António Ferreira, a que uma eventual desatenção do provedor não relevou importância...
Entretanto, decorrente da campanha internacional, os e-mail de várias instituições do Estado têm vindo a ser inundados com o protesto de dezenas e dezenas de cidadãos europeus. Disso já se queixa Nascimento Rodrigues que acusa os promotores de, a coberto da mesma, terem atacado a Provedoria de Justiça com “vírus informáticos”...

P: No plano meramente jurídico, o que se passa no seu caso, em particular, é que não lhe efectuam o cúmulo das penas no sentido de lhe determinarem uma pena única. É isto?
R: O cúmulo jurídico que tem de me ser feito, tem de pegar na pena anterior. A jurisprudência do artigo 79 do antigo Código Penal obrigava a que esse cúmulo jurídico fosse feito. Se eles tivessem pegado por aí, como determinava a jurisprudência, teriam que me colocar em liberdade em 1997. Porque eu já tinha uma pena máxima de 20 anos.

P: A argumentação oficial vai no sentido de que você teria praticado um crime numa altura em que estaria em cumprimento de uma liberdade condicional.
R: Há um remanescente da pena, ela não está extinta, não está cumprida e, segundo um parecer do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) e a própria jurisprudência, esse cúmulo tem de se efectuar sempre uma vez que a pena já é máxima, segundo a anterior versão do Código Penal em que a pena máxima estava precisamente fixada em 20 anos. E eles, para nunca efectuarem o cúmulo jurídico, nunca mandaram o remanescente da pena, do Tribunal de Loures, para o de Leiria, que é o tribunal competente para me definir a pena única.

P: Mas, qual a razão pela qual estas omissões (digamos assim) se manifestam no seu caso em particular?
R: São os serviços prisionais que movem os cordelinhos, que fazem trabalho de sapa, no sentido de acantonar o poder judicial a uma estratégia persecutória em relação à minha pessoa. É uma autêntica revanche política. É sabido que sou uma persona non grata para os cabotinos do sistema carcerário. Qualquer indivíduo, que tenha a capacidade de se indignar e que mexa com os alicerces da organização concentracionária do Estado, é uma figura a abater, a humilhar, a perseguir de forma irracional e desumana.

P: O seu nome parece estar ligado a tudo o que, nos últimos anos, mais precisamente nos últimos 30, aconteceu em matéria de contestação ao sistema prisional português.
R: Desde o 25 de Abril para cá que me tenho empenhado numa luta firme e decidida contra o sistema prisional e os seus serventuários mais despudorados e torcionários. Digamos que estou marcado com o traço vermelho da arrogância e da ilegitimidade de um sistema que é ele próprio delinquente e à margem da lei. E não sou só eu que o digo. Insuspeitas figuras e organizações já o têm afirmado até à exaustão.
Há pouco tempo, alguém disse que você seria o último preso político português. Revê-se nessa posição?
A constante perseguição que me é movida dentro das prisões não é de natureza meramente disciplinar. E, nessa dimensão, poderemos caracterizá-la como política, no sentido em que decorre de uma revanche ideológica sobre alguém que é estruturalmente adverso ao sistema concentracionário do Estado, a uma filosofia jurídica e institucional que trata os pobres como inimigo principal e os elege como hóspedes permanentes das prisões.

P: Sim, porque ao que parece, do ponto de vista disciplinar a sua conduta parece ser irrepreensível.
R: Eles não me podem apontar rigorosamente nada. Se há indivíduos dentro das prisões que podem dar lições, desde o preso até ao director, eu sou um deles. Desde o 25 de Abril, mais concretamente, que venho sendo catalogado como um inimigo político da ordem carcerária estabelecida. Nunca me conformei com a ordem dominante, com esta democracia hipócrita que premeia a incompetência, a ilegitimidade e as associações criminosas que mandam nas prisões.

P: A sua irreverência, o uso que faz do seu direito à indignação têm-lhe trazido muitos amargos de boca...
R: Neste momento, em função da situação caótica que aqui se vive, pensa que alguém se pode conformar?! A “caça às bruxas” já chega ao ponto de enfiarem indivíduos durante trinta dias em cela disciplinar, só porque alguém “disse que ele disse”... E isto está a acontecer aqui. E reflecte alguma coisa, ainda que ínfima, de um chamado Estado de direito, de uma democracia?
Quer-me parecer que não e, perante isto, a única solução é estabelecer, mesmo com os enormes riscos inerentes, uma luta sem quartel contra a iniquidade que medra no interior destes muros.

P: Correm alguns “mitos” sobre a sua pessoa. Nomeadamente, diz-se que você promoveu um assalto à prisão escola de Leiria, tendo por fito a libertação dos presos. É verdade?
R: Sim. Foi em 1973 e, embora a acção tivesse sido votada ao fracasso, por razões que agora não importa escalpelizar, marcou indelevelmente a história secular da luta de um punhado de cidadãos contra a ideia das prisões, contra a ideologia do domínio.

P: Que idade tinha nessa altura?
R: Tinha 32 anos. Mas, na sua génese, o assalto frustrado a essa prisão, decorreu de uma minha anterior estada nas instalações, aí por volta dos meus 17 anos, por altura de 1958. Fui, na altura, cumprir uma das tristemente célebres “penas correccionais”.

P: Os seus amigos defendem que os crimes pelos quais foi consecutivamente condenado, não decorreriam de uma intenção meramente delinquente. Teriam outro tipo de motivações.
R: Se lhes quiser chamar, eram motivações políticas. Comecei por ser comunista e mantive-me nestas convicções até ao início dos anos 80. Porém, esses ideais não davam resposta à minhas inquietações, à minha necessidade de insubmissão, de permanente procura do valor supremo da liberdade. Aos poucos fui chegando às ideias libertárias, ao anarquismo.

P: Segundo a última condenação, que remonta há dez anos atrás, você teria participado no sequestro de um empresário. Quer falar sobre isso?
R: O empresário em questão utilizava apenas uma fachada de “industrial”. Mas, em abono da verdade, convém referir que, já nesse altura, o cavalheiro era considerado um dos maiores traficantes de droga da zona de Cascais. E continua a sê-lo. De lá para cá, já deve ter tido ocasião de quadruplicar a avultada fortuna à conta de desgraças alheias. Aliás, ao que sei, até abriu um restaurante na 24 de Julho que lhe ficou em várias dezenas de milhares de contos. E não se vai buscar este dinheiro a uma pequena oficina com três ou quatro operários.

P: Falemos do processo.
R: Nada ficou provado em tribunal. E, convém dizer, a acusação que correu nas televisões não teve nada a ver com a realidade. A realidade foi outra. Mas ainda é prematuro falar sobre o assunto, primeiro há que garantir algumas condições de segurança. As verdadeiras causas do suposto “sequestro” do suposto “empresário” são outras. Digamos que a “vítima” foi figura central e culposa de uma orquestração mais vasta com objectivos diversos dos indicados pelas polícias e pelos seus ordenanças na chamada comunicação social.

P: O tal indivíduo foi, no entanto, encontrado numa casa em que você vivia, na Serra da Lousã. Não é verdade?
R: A casa não era minha, era frequentada por outras pessoas e eu não assumo qualquer tipo de responsabilidade. Até porque eu nem estava lá, como aliás se pode comprovar da própria leitura da acusação. E, como é sabido, só fui detido várias semanas depois.

P: Na altura, dizia-se que teria sido uma qualquer organização anarquista a promover o sequestro.
R: A Polícia Judiciária (PJ) chegou ao ponto de fazer publicar um artigo, através dos seus homens de mão, onde afirmava que nós estaríamos ligados à ETA. Foi, claramente, uma estratégia policial para condicionar e pressionar os juizes do processo. A intenção era transformar o julgamento num mero expediente formal, julgando-nos previamente antes da audiência, o que foi inteiramente conseguido.

P: Ao nível europeu, está em curso uma campanha no sentido da sua libertação. Por que julga haver tanta gente interessada no seu caso, quando, aparentemente, você é visto como um preso do chamado “delito comum”?
R: O meu nome não é de todo estranho nos meios do activismo social, desde há muitos anos. A situação aviltante a que estou sujeito, a perseguição mesquinha e despótica de que sou alvo, tem chamado a atenção de vários sectores, não só na Europa como noutras partes do mundo. Recentemente, chegou-me ao conhecimento que um jornal mexicano havia referido o meu caso. Por outro lado, tive ocasião de visitar vários países da Europa onde frequentei meios libertários e outros.

P: Que recado gostaria de enviar a quem, ainda, o mantém preso?
R: Aprendam a respeitar os direitos humanos e, no mínimo, os fundamentos teóricos da democracia que tanto dizem defender. Mas, com todo o direito, apraz-me dizer que a situação que hoje vivo não é de todo diversa da maioria dos cidadãos, que vive despojada dos seus direitos, espoliada da sua dignidade e impedida de exercer qualquer direito de indignação. Os canalhas que nos oprimem cá dentro, são os mesmos que vos tramam aí fora. A única diferença é as circunstâncias e os meios.

P: A situação nas prisões parece ter piorado nos últimos anos.
R: Verifica-se a violação de qualquer das regras mais fundamentais de um chamado Estado de direito. Antes do 25 de Abril, pese embora o facto de a reforma prisional de 1936 ser omissa em matéria de direitos fundamentais, muitos dos problemas de hoje não se verificavam, nomeadamente (e por incrível que parece) a violação sistemática da dignidade do indivíduo, na pessoa do preso. E não estou, obviamente, a defender o regime anterior. Por exemplo, antes do 25 de Abril, para um guarda dar uma chapada num preso este quase que tinha de deitar a cadeia abaixo. Agora, se um preso der uma chapada num guarda pode aparecer morto. Antes, quando um preso dava uma chapada a um guarda, o mais certo era este retribuir da mesma forma e as coisas ficavam por aí.

P: Passam três anos em Outubro sobre a morte violenta de dois reclusos, um deles Augusto Morgado Fernandes, num episódio que foi bastante mediatizado. Você, na altura, denunciou uma teia de interesses e corruptelas que levou ao afastamento de alguns funcionários prisionais. Entretanto, decorrente disso, os seus amigos dizem que a sua vida corre perigo. Sente essa realidade?
R: Sinto! Penso até que estão à espera do mais pequeno pretexto para fazerem o que ainda não tiveram condições objectivas para realizar: a minha aniquilação física. É por isso que esta campanha, independentemente da possibilidade mais ou menos imediata da minha libertação, constitui também uma garantia para coarctar intenções criminosas e defender a minha integridade.

P: Que mensagem gostaria de enviar às pessoas que organizam esta campanha internacional de solidariedade?
R: Desde logo, o voto expresso da minha enorme gratidão. E a transmissão de uma certeza: não existe nenhuma fantasia em torno da minha situação, cada vez tenho mais consciência da precariedade da minha segurança. É por isso que esta campanha, como já disse, é fundamental. Estou imensamente grato pelo vosso apoio e solidariedade.

Alte Pinho


_________________________________________



O que querem os anarquistas?

"O Estado é a negação da humanidade!"- Mikhail Bakunin Em artigo bastante contundente e expressivo, Errico Malatesta, discípulo italiano do russo Bakunin, discorre sobre o que é e o que se deve fazer "Rumo à Anarquia".
Em primeiro lugar, deve-se desprezar concepções erróneas segundo as quais "anarquia" seria sinónimo de "bagunça". Anarquia, segundo este, é ausência de governo e mesmo de actividade parlamentar; que os agentes políticos devem actuar directamente em busca de manter e ampliar todas as formas de participação nos aspectos decisórios da sociedade em que vivem. Acção Directa, aliás, é o nome que adoptam várias organizações anarquistas pelo mundo afora.
Diz-nos Malatesta em seus "Escritos Revolucionários" que "Se quiséssemos substituir um governo por outro, isto é, impor nossa vontade aos outros, bastaria, para isso, adquirir a força material indispensável para abater os opressores e colocarmo-nos em seu lugar Mas, ao contrário, queremos a Anarquia, isto é, uma sociedade fundada sobre o livre e voluntário acordo, na qual ninguém possa impor sua vontade a outrem, onde todos possam fazer como bem entenderem e concorrer voluntariamente para o bem-estar geral. Seu triunfo só poderá ser definitivo quando universalmente os homens não mais quiserem ser comandados ou comandar outras pessoas e tiverem compreendido as vantagens da solidariedade para saber organizar um sistema social no qual não mais haverá qualquer marca de violência ou coacção".

(publicado na edição de «o Crime» de 1 de Julho de 2004)